Serviços digitalizados geram mais de R$ 3 bilhões em economia

set 18, 2021

Ajustar-se, inovar e se reinventar diante do novo contexto da revolução tecnológica é um dos desafios impostos à sobrevivência empresarial. 

A digitalização dos serviços públicos rendeu uma economia de R$ 3,1 bilhões. Desse total, R$ 2,3 bilhões foram economizados pelo próprio cidadão e mais R$ 800 milhões pelo governo. O balanço foi feito pelo secretário de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, Caio Mario Paes de Andrade.“Isso representa o combate à burocracia, melhoria da administração pública e transformação digital do estado”, disse. Segundo ele foram mais de 3 mil serviços digitalizados. A meta é chegar a 2022 com os 4 mil serviços públicos disponíveis digitalizados.

Você sabe o que é Economia Digital?

A Economia Digital abriu espaço a um processo de transformação digital e de mudança na estrutura econômica. Associado a este processo, a adoção e difusão das Tecnologias da Informação e Telecomunicação (TIC’s) por parte das empresas vem afetando os investimentos, os processos de produção, a relação entre os fornecedores e seus consumidores, a infraestrutura e serviços digitais das cidades, as formas de comércio, a digitalização das instituições financeiras via API’s (Application Programming Interface), os modelos de negócios e as relações de trabalho.

Ao mesmo tempo em que as tecnologias e dispositivos digitais proporcionam facilidade na vida dos indivíduos e vantagens competitivas às empresas, criam incerteza, uma vez que alguns processos, competências e profissões ficam cada vez mais obsoletas. Ajustar-se, inovar e se reinventar diante do novo contexto da revolução tecnológica é um dos desafios impostos à sobrevivência empresarial.

O setor digital, formado pelo segmento das TIC’s abrange as inovações fundamentais em dispositivos chaves (semicondutores, processadores), a criação e aprimoramento de tecnologias centrais (computadores, dispositivos de telecomunicações) e a expansão de infraestruturas habilitadoras (Internet e redes de telecomunicações). Por sua vez, o setor da economia digital inclui plataformas digitais, aplicativos móveis e serviços de pagamento. O último componente é a economia digitalizada, formada por segmentos em que os bens e serviços estão sendo cada vez mais utilizado nos modelos de negócios digitais (e-commerce) e nas novas organizações empresariais (startups) (UNCTAD, 2019).

Empresas privadas

É relevante entender que, no meio corporativo, o processo não pode ser direcionado somente pela tecnologia, mas também pela estratégia da organização.

Isso significa que os profissionais que compõem uma organização precisam estar abertos às mudanças necessárias dos processos, fazendo uma avaliação dos negócios da empresa e uma reflexão acerca da magnitude da transformação digital na organização.

Todo processo de inovação digital de uma empresa necessita, do mesmo modo, priorizar inicialmente algumas áreas, recursos e procedimentos essenciais, tais como:

Ferramentas digitais: fazer uma análise das principais ferramentas existentes no mercado que, efetivamente, poderão auxiliar no processo de inovação da empresa;

Mudança de cultura organizacional e processos: promover reformulações de todos os sistemas internos, utilizando as ferramentas digitais;

Priorizar novas parcerias e inovar: investir na busca de novos parceiros e utilizar a tecnologia para reestruturar o relacionamento com as que já estão estabelecidas;

Valorizar a fidelizar os clientes: trabalhar o aumento do sentimento de identificação de cada cliente com a respectiva marca e, utilizando ferramentas digitais como SACs e Ouvidorias, para iniciar um processo de fidelização;

Investir no processo de digitalização: iniciar o sistema de digitalização dos procedimentos para a criação de novas formas que venham comercializar um produto ou serviço atual.

Fontes: Agência Brasil, StartSe e Ideies